Pular para o conteúdo principal

Postagens

Escrever é um exercício, então deixa eu fazer isso.

Comecei a escrever um parágrafo, por isso recuei a primeira linha e fiz uma frase curta para abrir a ideia principal. Agora eu posso escrever algumas ou várias frases, preferencialmente curtas, que desenvolvam a ideia do parágrafo. Essas frases podem ser definições de conceitos, exemplos, ilustrações, comparações, correlações. Também podem ser frases que discordem entre si, quando estou colocando duas ou mais autorias para uma conversa. Essas frases não são ideias minhas, portanto, frequentemente vêm acompanhadas da fonte de onde as tirei. A forma de mostrar para quem está lendo o texto que a ideia não é minha depende do estilo de citação. Geralmente, quando uma ideia não é minha, mas escrevi a frase com as minhas palavras, basta indicar “quem e quando”. Quem assinou essa ideia e quando foi publicada? Se não veio da minha cabeça, preciso dizer de onde veio. Assim, eu posso lhe dizer que o preconceito é um conjunto de atitudes desfavoráveis frente alguém que pertence a um grupo ao qual

Coleção de referências no Estilo APA 7ª Edição

A lista de referências contém o caminho completo para se chegar às fontes citadas no texto. É organizada em ordem alfabética e tem um estilo próprio para cada tipo de fonte, mas é basicamente composta por quatro elementos: Quem. Quando. O que. Onde.   Quem é responsável pela fonte? Quando a fonte foi publicada? Qual o nome dessa fonte? Onde ela está? Veja um exemplo: Gaspodini, I. B. (2019). Título de um artigo imaginário: Subtítulo do artigo.  Revista de Mentirinha , 14 (2), 10–23. https://doi.org/666999666 Uma pessoa chamada Icaro Bonamigo Gaspodini foi autor de um artigo publicado em 2019. Esse artigo foi publicado em uma revista científica chamada Revista de Mentirinha. O artigo foi publicado no volume 14, número 2, entre as páginas 10 e 23. Se você quiser acessar o artigo, ele tem um link permanente e um doi ( digital object identifier ), ou seja, um número único de identidade.  De qualquer forma, cada tipo de fonte tem seu jeitinho. Para isso, eu tenho a minha lista de exemplos d

Como abreviar nomes?

Na lista de referências no estilo APA, em minha opinião, largamente desrespeitamos os "de, da, do, das, dos" de nossos nomes brasileiros. Isso acontece porque listamos as autorias pelo último sobrenome, seguido das abreviações dos nomes anteriores.  Esta tabela sugere abreviações baseadas em situações comuns e incomuns, seguindo o estilo APA.   Gaspodini, I. B. Icaro Bonamigo Gaspodini Meneghel, M. da G. Maria  da  Graça Meneghel Jesus, J. G. de Jaqueline Gomes  de  Jesus Brown, C., Jr. Charlie Brown  Jr. McDonald, R., III Ronald McDonald  III Sartre, J.-P. Jean-Paul  Sartre Merleau-Ponty, M. Maurice  Merleau-Ponty Del Rey, L. Lana  Del Rey

Revistas Brasileiras de Psicologia

Esta lista é uma compilação dos principais periódicos brasileiros revisados por pares em Psicologia e áreas afins. Foi construída com base na lista de periódicos avaliados pela Qualis Periódicos , atualizado para o último quadriênio (2013-2016). Para entender a classificação (A1, A2, B1, B2, B3, B4, B5, C), veja aqui a explicação dos critérios. As classificações desta lista dizem respeito à área da Psicologia.

O que é doi e url?

Grande parte do material que pesquisamos está disponível online.  Para recuperar uma fonte, precisamos de uma identificação. A mais comum é um endereço na internet. A mais segura é um doi. doi ( digital object identifier ): como se fosse um número de identidade url ( uniform resource locator ): endereço na internet

O que é confiável?

Na produção acadêmica e científica, costuma-se conferir maior legitimidade a um núcleo específico de produções do conhecimento. Elas são formas rigorosas de comunicação de um argumento ou de resultados de uma pesquisa. A figura abaixo é uma adaptação minha do ovo proposto pela Chelsea Lee , do blog da APA.

Estilo APA

O Manual de Publicação da American Psychological Association (APA) nasceu em 1929, na forma de um artigo de revista. A versão atual está na sexta edição, publicada em 2010. Pesquisas em Psicologia (e outras ciências antropossociais) adotam esse estilo de escrita para seus manuscritos. Por serem regras de estilo, devem ser vistas como formas de transformar em texto a produção criativa de nossas ideias em pesquisa.

Posso mudar o original?

Quando estamos fazendo uma citação direta, ou seja, reproduzindo exatamente o original, devemos manter inclusive os erros. Mesmo assim, podemos nos meter no texto, usando recursos gráficos. Veja, abaixo, as diferentes formas de meter-se no texto alheio. Uma tentativa de "restauração" que até agora ninguém entendeu. (Agence France-Presse / Getty Images - mais sobre o ocorrido )

Citação no Texto

Há duas formas de citar uma fonte bibliográfica no seu trabalho: exatamente como ela estava no original (citação direta) ou com outras palavras, as suas palavras (citação indireta). Vamos supor que você esteja pesquisando sobre Psicologia Ambiental. De repente, você encontra um artigo chamado A porta e suas múltiplas significações , escrito por Sylvia Cavalcante, no ano de 2003. Assim como eu, imagine que você tenha achado muito interessante o seguinte trecho:

Como usar "et al."?

Hoje, precisei de ajuda para saber o que fazer com a seguinte situação: estou usando dois trabalhos que, quando abreviados, ficariam da mesma forma nas aparições subsequentes no texto: Blá blá blá blá (Costa et al., 2015). Blá blá blá blá (Costa et al., 2015).

Palavra-chave ou descritor?

Palavras-chave a gente inventa. Descritores já foram inventados e estão catalogados em um lugar. Essa é basicamente a diferença. Algumas instituições e periódicos exigem que seu texto tenha descritores ao invés de palavras-chave, pois essa prática facilita a indexação nas bases de dados. Quem pesquisa em Psicologia pode utilizar os descritores do DeCS  (Descritores em Ciências da Saúde), criado pela BIREME , para unificar a linguagem e facilitar a indexação dos artigos nas bases de dados.

Psicologia e Diversidade Sexual e de Gênero

Esta postagem serve para facilitar uma prática constante: a de repassar textos sobre diversidade sexual e de gênero na área da Psicologia, geralmente para leituras iniciais. Por questões de direitos autorais, só há material disponível em acesso aberto. Se algum endereço estiver truncado, por favor, avise-me.